Marina Fioretti

…me considero com muita sorte. Minha infância foi maravilhosa. Escola. Amigos. Quarto todo meu. Festas de aniversário. Neve. Roller e croissant de nutella no café da manhã.
Tinha pai,mãe é um mundo cor de rosa todo meu.
Voltei para o Brasil. Descobri aos poucos que toda minha infância dos sonhos era uma fantasia criada pela minha mãe com todo o amor. Nunca existiu uma família completa de verdade. Sempre fomos nós. Eu e ela. Ela é eu. É assim continua sendo.
O que mais quero mãe, é que quando teus cabelos ficarem branquinhos e não mais platinados, eu possa pintar teu mundo de rosa, assim como tu sempre pintou pra mim.
Ass. Tua filha única
09.10.2012

 

Sempre tive medo de gatos. Até morar com meu vô e ele ficar doente. O “Gatoso” não saia do colo dele, mas eu entendo, porque mesmo sendo muito magrinho, é o colo mais quentinho e aconchegante que já senti.
Percebi que tinha duas opções. Ou eu perdia o medo de gatos ou eu perderia momentos que nunca voltariam no tempo. Não tive dúvidas.
Meu vô faleceu. O Gatoso logo em seguida também. Ele certamente herdou o melhor colo do mundo lá no céu. E eu herdei todo o amor pelo Gatoso (e por todos os gatos que cruzam meu caminho na rua).
Acho que é cedo ainda pra eu ter aprendido isso. Mas a verdade é que algumas pessoas só podem fazer parte do nosso coração e não da nossa vida.
Às vezes a gente simplesmente cansa e desistir é o melhor a fazer. Não to falando só de amor. Acho que isso funciona pra tudo. Temos que saber deixar ir, e dizendo isso como uma super taurina que sou, não é nada fácil. mas uma hora a gente aprende que tentar juntar algo que nasceu pra ficar separado só nos machuca.
P.S por favor, lembre se de uma coisa: dentro de você não existe nada disso, então guarde juntinho e esmagado no seu coração quem você quiser ok?
12.2015
Meu nome é Marina. Tenho 19 anos e sou bailarina.
Sou nova e daqui um tempo posso achar tudo isso uma besteira. Mas fazer esse ensaio representou perfeitamente meu momento. Depois de alguns anos de turbulências estou tranquila e em paz. Posso dizer que estou feliz de verdade. Que acordo todos os dias com vontade (e com sono óbvio) de ir atrás do que quero. To curtindo esse meu momento de todas as formas até porque até as coisas boas passam. Mas quando a maré ruim chegar, vou saber exatamente o que quero ter de volta.
Esse respiro. Esse suspiro. Essa paz.