Karine Alves

Sou Vento, soprando desde sempre. Não sou brisa, mas vento, vento mesmo… Daqueles que embaraçam o cabelo e te fazem fechar os olhos, vento arteiro… Ventando há 40 anos por estas bandas.

Falar da infância aos 40 com certeza é um bom exercício de memória. Foi boa, teve vestido de prenda, trança no cabelo, escola de natação, gato de estimação, teve apresentação na escola, teve madrinha, padrinho, tias e tios, primas, tive irmão para brigar e rir, teve braço quebrado (os 2 ao mesmo tempo) e dedo quebrado também, teve banho no tanque, banho de mangueira, teve praia, amigas de rua, pichação nos muros e noites de verão correndo pelo bairro.

Foi infância de pai ausente, pai q não se envolvia, tinha outra família e me deu mais 4 irmãos, ele não fala, não contesta, não opina, não grita, não nada.

Aparecia na Páscoa, no Natal trazia presentes e achava que ser pai era assim, era o jeito dele de “ser pai”.

Infância de mãe presente quando podia estar (ela sempre trabalhou muito)!

Lembro que ao acordar encontrava pelas paredes de casa desenhos de relógio que diziam que quando o relógio estiver “assim” era hora de se arrumar para a escola, ou quando o relógio estiver “assim” era hora de almoçar. Foi assim aprendi a ver as horas e a ser independente.

A adolescência foi complicada, tatuada, marcada e cheia de dúvidas. Teve muito “tu não vai” , “tu não pode,  “tu não”, “não”, não”, “NÃO”….

Por tantos “NÃO”, teve muito choro, teve porre e banho frio, teve briga e discussão. Teve 1º amor de escola, teve 1º beijo, teve Legião Urbana, New Order, Nirvana, Guns and Roses, teve a turma do 2º Grau, e a turma do prédio, teve os primeiros goles de vinho e o 1º Cigarro, teve desfile do colégio e faixa de Miss Simpatia ( kkk ) teve 1º emprego e 1º namorado (que a mãe odiava e por isto fui morar com o pai ausente), não deu nada certo, mas valeu a tentativa!! Saindo de lá adulta (já sem o namorado) fui me encontrar.

 

Chegou a vida adulta e fui ser livre e morar com outras pessoas. Conhecidos e desconhecidos, algumas pessoas amigas outras nem tanto, também morei sozinha. Valeram as experiências.

E finalmente chegamos aos dias de hoje onde encontrei tempo para saber o que eu gosto em mim:

Gosto de água com gás (Gelo e limão Por favor!). Gosto de Gatos e Cachorros, de música, de falar a verdade, de fazer amigos, amo o silêncio (já basta meu barulho interno!!) Gosto de Beijos Intensos, de comida Japonesa, não gosto de gritos, nem de perguntas e muito menos de cobranças.

Sou luterana de batismo e católica pela comunhão, praticante da reflexão. Confesso que peco (Quem nunca ??). Dos 7 pecados capitais os que eu cometo com mais frequência são a Gula e a Luxúria.

Foi nesta vida pecaminosa que encontrei uma amiga querida que em uma segunda feira chuvosa do mês de março me deu a honra de olhar bem dentro dos seus olhos claros e me deixou ouvir a sua voz doce. Na terça feira ela decidiu partir. Fechou os lindos olhos para sempre e sua voz nunca mais ouvi (Love You, Flávia).

E esta amiga fez um ensaio com o “tio da fruteira” e eu pensei porque não??? Fui atrás do “tio”. Ele me recebeu, tomamos café e falamos da vida.

Foi quando decidi “Ok, vou fazer o ensaio fotográfico por quê hoje sim me sinto segura”!

Muito mais do que há 10 anos, apesar de alguns (muitos) fios de cabelo branco insistirem em morar na minha cabeça, algumas rugas de expressão já se “apegaram” ao meu rosto…

 

OK! Mesmo assim é a hora em que me sinto mais preparada e plena, antes não gostava de batom, de vestido, de lingerie não me via mulher, até “masculinizada” já cheguei a me achar, nada a ver com orientação sexual, simplesmente não me via “encaixada” no exigente e competitivo “Mundo das Mulheres”, acho que propositalmente não ligava para isso de “ser mulher”, na intenção de não chamar atenção!

Na adolescência lembro bem de me sentir tipo “carne no açougue”, bunda grande, quadril largo, seios fartos, adolescente “mulherão” q não passava despercebida e atraía olhares demorados e incomodativos, sentia uma sensação nojenta de impotência por não saber como agir e me achava culpada por provocar aqueles olhares, hoje continuo assim, “mulherão” bunda grande, quadril largo e seios fartos ( OK – Um pouco caídos – Quero Silicone, 200 ml POR FAVOR!)

Mesmo assim elas apareceram. As dúvidas, dúvidas e mais dúvidas, Estou Gorda? Estou feia? Estou pelancuda? Estou sem noção? A coisa piorou quando fui olhar os outros ensaios no site do bendito fruto.

Pensei comigo mesma: FUDEU!!!

Elas são lindas e novinhas e cheias de juventude, e sensuais!!! Será que não estou me achando demais ?? Será que me enquadro no perfil???? Aí uma voz lá no fundo do meu cérebro quarentão grita: “ QUE MANÉ PERFIL? ” ESTÁ LOKA?? É sim a hora de festejar a maturidade, dos 40 a autoconfiança, a autoestima e a feminilidade que vieram com a idade – #Boralá, #Partiu, é o que tem para hoje !!!!

Agradeço ao incentivo de todas as amigas que estão sempre por perto embarcando comigo na loucura que é nossa amizade e aos amigos do sexo masculino “Homens da minha Vida” !!! Agradeço ao Maiquel Borges (o Tio da fruteira – Baita Profissional) A ReGata Schmorantz (Produtora/ Administrativo/Gestora e Comedora de Pinhão) E a Mariana Moura (Rainha dos Pincéis) por tamanha dedicação e paciência, Super Recomendo o BenditoFruto em casos extremos para quem está se achando “de menos” ou para quem está se Achando DEMAIS, Tipo eu !!!