Fernanda Specht

 

 

 

Minha vida sempre foi boa, sou muito família, tudo que fiz e faço é para alegria e orgulho deles. Meu pai e minha mãe são meu alicerce, meu chão, fazem de tudo por mim e meu irmão, são guerreiros da vida. É por eles que luto todos os dias e tento ser alguém melhor, os defendo com garras e dentes e não admito nem permito que alguém ouse falar mal deles. Meu irmão é 5 anos mais velho que eu e foi ele quem escolheu meu nome quando nasci, somos completamente diferentes e temos lá nossas desavenças, quando mais novos nos pegávamos de socos e tapas, hoje em dia bastam palavras de “carinho e afeto” que nossa vida se revolve. Tem o Dudu também, nosso big poodle de 9 anos, dorme na cama de todos e tem regalia com a família toda, cada um que chega ele leva no local que fica guardado o agradando dele, é um bibelô.
Moramos todos juntos, mas devido à correria do dia a dia e profissão de cada, nem sempre conseguimos nos reunir, e eu gosto disso, de quando estamos reunidos, conversando, rindo, comendo e sendo o que somos de melhor: uma família!

 

Tive uma infância muito boa. Brinquei até os meus 14 anos, de boneca na rua mesmo, uma infância inocente e cheia de sonhos que prosseguem nos dias de hoje. Tive tantos bichinhos em casa que se fosse para lembrar, precisaria de uma ajuda “mãe”, eu me achava meio protetora deles e queria sempre mais um. É o que mais sinto falta. Sempre fui um pouco madura, pensando sempre no meu futuro, de como eu gostaria que fosse e o que gostaria de adquirir. Queria ser diferente do que sou hoje, em praticamente todos os sentidos, mas não me acho tão capaz de mudar, por quê? Comodismo, maior erro do ser humano. Me acomodei com a vida que levo e com isto “vou levando”, empurrando com a barriga algo que não me faz 100% feliz, acho tão fácil e triste admitir isso que sempre planejo um novo amanhã, só que ele sempre fica lá, no papel… Espero um dia que eu tome consciência de que o tempo tá passando rápido e mude de verdade! Enquanto isso, fico nos meus devaneios e vivendo minha vida da melhor forma possível.

Tenho 24 anos e sou geminiana afu, dessas que mudam de humor em um segundo, personalidade forte, sem “papas na língua”, dessas que falam sem pensar e muitas vezes nem se arrependem. Sou chorona de carteirinha (mas isso fica nas entrelinhas), dizem que sou fria e arrogante, e acho que concordo. Sou chata pra caralho, admito. Mimimi não é comigo, drama muito menos. Gosto de cerveja gelada. De qualquer comida salgada, doces só na tpm. Gosto de passar tardes e noites assistindo séries, eu e eu no meu quarto. Gosto de chimarrão com merengue, com rapadura, com pipoca, ou até com paçoca. Gosto de sorrir, sorrir pra câmera, pra pessoas, pro motorista e pro cobrador, pros meus clientes, pra vida.

 

Gosto do sol, de sentar abaixo dele e sentir o quente percorrer meu corpo. Gosto da sombra, como forma de apreciar a natureza. Gosto da chuva, do barulho e da paz que traz. Gosto do campo, da praia, da cidade. Gosto de ler, sejam romances, empreendedorismo, espiritismo ou até gibis. Gosto AFU de tatuagens e piercings. Gostaria de arriscar mais, sair por aí sem rumo, sem medo de ser feliz. Minha vida amorosa é um desastre, é algo fora do comum, sério. Um relacionamento mais embaraçoso que o outro, mais problemático que o outro, na real, vivo melhor sozinha haha.

Na família sou a que nunca apresentou um namorado, e hoje dou a graças a Deus por isso, eles não mereciam tanta canalhice. Se não fosse cômico, seria trágico, real.
Na roda de amigos nada mudou, a encalhada que tá sempre com o copo na mão haha mas pô, diz pra mim, que companhia melhor que uma cerveja bem gelada? Desconheço! Faço amizade fácil, falo muito, tipo muuuuuuuiito mesmo, sabe comé né!? Geminiana.
Tipo, tive que me conter muito aqui, senão vocês iam cansar de tanto ler sobre “me”. Mas apesar de esbanjar sorriso, ultimamente uma maré de azar passou por mim, foram perdas irreparáveis e doenças dolorosas, no entanto, foi tanta gente se preocupando, tentando ajudar que me sinto mais forte. Então pensei em algo para me sentir melhor, elevar a autoestima. Resolvi que queria fazer o ensaio em 2015, mas acabei realizando mesmo só neste ano, e olha, melhor momento da minha vida para ter feito, me fez sentir mais mulher, mais poderosa, mais atraente e sedutora. Fiquei encantada com o tratamento que recebi, tanto do Maiquel quanto da Renata, que casal do caralho. Me senti em casa, completamente à vontade. No começo claro que fui um robô, mas logo ficou tudo bem. Absorvi muito do ensaio que vou levar pra vida: a tratar o próximo como eu gostaria de ser tratada, a não acreditar em padrões de beleza, a não me importar com celulites, estrias e afins. À noite sempre agradeço a Deus por todo suporte e amor que tem por mim, sei que Ele estará sempre me acompanhando e me guiando. Há pouco tempo aprendi a dar mais valor às pessoas, aos momentos, aos abraços e beijos, a cada minuto de vida que Deus me permite respirar. Sou católica, não praticante infelizmente, me afastei muito da igreja há uns 6 anos, mas confesso que sinto muita falta. Entretanto, sigo com muita fé, orando sempre que quieta, agradecendo sempre que barulhenta, e pensando em como Tê-lo ao meu lado me faz bem, me traz paz e me faz mais feliz!