Ana Carolina

Mulheres

“A parte mais difícil em ser professora é a de não cruzar a linha entre ser uma educadora e ser uma pessoa que se importa com outras.
As vezes as crianças precisam de uma professora pra formar um aluno e as vezes elas precisam de um ser humano que seja uma referencia positiva pra formar outro ser humano.”

“Eu sou muito impulsiva. Gosto muito de ser desafiada.
Um dos motivos pelos quais me tornei professora é porque gosto de me desafiar. Eu sou confiante. Sempre acho que vou conseguir.

E eu também faço escalada.
Escalar e ensinar são coisas parecidas porque tem grandes desafios e imprevistos. Nunca uma aula ou uma subida são iguais e as vezes não dá tempo de pensar. A gente precisa tomar decisões na hora.

Na maior parte da minha vida eu não fui impulsiva. Planejava tudo nos mínimos detalhes e deixava de fazer muita coisa por medo de que não desse certo.
Então eu trabalhei mais a minha autoestima, passei a confiar mais em mim e agora eu sempre penso ‘pelo menos eu tentei’.”

“- Ano passado aconteceram varias coisas ruins e eu fiquei no fundo poço.
Mas só comecei a perceber isso quando me perguntaram se eu tinha algum sonho e….
E eu não soube responder.
E caramba, eu sou muito nova pra não ter nenhum sonho, sabe?
Então agora eu to começando a ter sonhos de novo.”

– E qual teu sonho atual?

– Fazer aquelas danças de circo, com tecido e trapézio e tal…”

“… as vezes é muito difícil me desligar do trabalho…”

“…Quando comecei a fazer letras sofria um preconceito sabe?
As pessoas ficavam de risadinha, deboche…

Algumas perguntavam: mas o que tu quer fazer da vida? Dar aula!?

E escutava isso inclusive de pessoas que tinham familiares professores.
Com o tempo comecei a administrar isso e me afastar de pessoas assim, o que foi bom, porque comecei a valorizar os amigos que me respeitavam.

Tem gente que pensa que fui obrigada a fazer letras e ser professora.
Mas na real, foi uma escolha minha e eu tenho muito orgulho disso.”