Aline Gaitkoski

Minha família é de descendência polonesa e é formada por meu pai, minha mãe, meu irmão e eu.

Sou uma pessoa tímida e na minha, levo tudo na boa até que me tirem do sério, sou geniosa e orgulhosa, gosto das coisas a minha maneira, um dos grandes problemas na minha Vida.

Pareço ser durona mas não sou, sou chorona mas procuro derrubar minhas lágrimas quando estou sozinha parece ser mais fácil. Comigo não tem meio termo ou é sim ou é não, quando decido algo não volto atrás.

Na minha infância, sempre fui espuleta, muito arteira, minha mãe não podia com meu irmão e eu, aprontavamos todas e no final quem entrava pro laço era eu. Nunca fomos crianças mimadas. Gostava de viajar aos finais de semana para casa de familiares no interior, nos dias de hoje isso pouco acontece, mas sempre que dá procuro ir.

Para mim os adultos que eu mais admirava e admiro são minha mãe e meu pai. Acho que porque sempre via como eles eram felizes e se davam bem, sempre pensavam no bem do outro, e acho que no fundo eu queria mesmo era ser igual a eles.

Em 2006 quando eu tinha 15 anos minha mãe teve um AVC (derrame) ela tinha apenas 46 anos de idade, uma mulher nova com muito o que viver e me ensinar de vida. Em casa moravam meus pais e eu, meu irmão ja era casado e tinha sua própria família. Então tive que assumir a casa e os afazeres.

De manhã cursava o ensino médio e a tarde cuidava dela sempre com muito amor e carinho, Deus sabe que o que pude fazer por ela eu fiz.

Foram quase 4 anos de idas e vindas do hospital, quando no dia 26 de Dezembro de 2009 ela veio a falecer.

Alí meu mundo veio ao chão, “como assim minha mãezinha se foi?”, no momento mais triste e doloroso da minha vida e hoje, 6 anos e meio depois da morte dela sinto o mesmo vazio e a saudade só aumenta.

Nesse meio tempo tive um relacionamento que durou 7 anos, que por ironia do destino não deu certo, com uma pessoa que com certeza sempre vai ter um lugar no meu coração pois sou grata por tudo que por mim e por minha mãe fez, passou por toda doença e perda dela ao meu lado.

E o que dizer do meu pai? Seu José Gaitkoski, pra mim ele é um paizão, meu herói, rabugento mas qual pai não é?

Aos domingos me fazia acordar cedo pra ir a missa, muitas vezes fui de má vontade, hoje quase não vou a Igreja mas tenho minha fé em Deus graças a ele. A meu Pai agradeço tudo que tenho, tudo que sou e conquistei nesses anos. Sei que posso contar com ele em todas as horas.

E sobre meu mano? Vive me tirando do sério com brincadeiras e tolices, mas mesmo assim sabemos que com todas as diferenças que temos podemos contar um com o outro sempre em qualquer momento sendo eles de tristeza ou felicidade. Aos poucos na minha vida fui deixando de escutar certas músicas, de usar certas roupas, de falar com certas pessoas. Mudei… pois mudar faz parte do ciclo da vida da gente, embora a essência seja sempre a mesma. Sempre que encontro um obstáculo na minha vida, não desanimo, pois com o tempo eu sei que ele se vai se tornar pequeno. Não porque diminuiu, mas porque eu cresci e amadureci.

Atualmente eu moro dizer eu e meu filho de 4 patas, o Sheldon, lindo da mamãe.

 

Recentemente saí de um relacionamento que pouco antes de completar 1 ano se acabou e agora posso dizer que estou bem!

No início, todo fim de relacionamento é difícil e complicado, acho que num relacionamento os dois devem se orgulhar da pessoa que tem ao lado e fazerem questão de se esforçar para manter vivo o sentimento no outro. Gosto de ser tratada como única, de mensagens no meio da noite, ligações inesperadas, palavras bobas. Gosto de perguntas como ‘o que você está pensando?’. Gosto de receber flores, acho que isso toda mulher gosta, nem que seja só uma.

Gosto de surpresas, filmes românticos. Gosto de receber um mimo quando estou doente, um beijo na testa após um beijo na boca, um abraço apertado e um carinho na nuca.

Ser fotografada me deixou mais confiante, me olho no espelho e vejo outra mulher.

Uma Mulher linda capaz e conquistar o mundo a frente, sem medos e receios de nada, não me importo mais com o que pensam ou falam de mim. Agradeço de coração o que fizeram por mim e pelo que fazem pelas pessoas, com certeza ganhei novos amigos. Acredito muito nos planos de Deus, eles são perfeitos, não há erros, ainda que trilhemos trechos que não compreendemos. Meus planos mudaram completamente, o momento agora pede rota nova. Porque a estrada é longa, e a vida não permite grandes paradas nas curvas. Hoje apenas vivendo e amando a mulher que sou por dentro e por fora!